Rodrigo Calixto

Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo
Tejuelo

Tejuelo

2015

Tijolo > do espanhol tejuelo, diminutivo de tejo – caco de telha.

Os vestígios mais antigos de tijolos datam de 7500 a.C. e foram encontrados em Çayönü, no sudeste da Anatólia, na Turquia. Os tijolos foram uma inovação tecnológica importante, pois permitiram erguer edifícios resistentes à temperatura e à umidade, numa altura em que o homem deixou de ser nômade, passando a ter a necessidade de possuir construções resistentes e duráveis. Por volta do ano de 1200 a.C., a fabricação de tijolos generalizou-se na Europa e na Ásia.

A madeira foi a primeira economia de mercado proveniente do Brasil e assim o foi durante todo o período colonial. Uma das principais matérias primas utilizadas nas construções, serviu por muito tempo também como estrutura de telhados. Com o passar dos anos, a Revolução Industrial trouxe a produção em massa de tijolos. As pequenas oficinas que produziam tijolos desapareceram para dar lugar a grandes fábricas, com fornos enormes, que tornaram a produção de tijolos mais rápida e barata. O uso do tijolo foi generalizado.

Já em meados do século XX, as antigas casas começam a dar espaço aos prédios. Começa a era da verticalização dos espaços e das habitações, e com isso também surgem as primeiras madeiras de demolição.

A obra Tejuelo é um retrato da nossa cultura na qual a madeira exerceu um papel de extrema importância na arquitetura colonial brasileira, e que depois foi suprimida pelo avanço tecnológico que trouxe o tijolo enquanto elemento de modernização das construções.

Para o artista, representar um tijolo produzindo-o em madeira, ao invés do barro, é a oportunidade de retratar e colocar em discussão os pares que foram criados ao longo da nossa história. Há ainda um outro aspecto provocativo na obra: a madeira que antes era parte fundamental nas construções passou a ser descartada, tomou outros caminhos, e retorna agora na forma de um tijolo. O barro, macio, moldável, avermelhado, perde a função de moldar. Empresta a sua plasticidade na forma de um objeto cuja a função não é montar, construir, mas sim refletir.

O Tijolo é o arquétipo da Arquitetura. Representa o elemento que dá forma, demarca e estabelece as fronteiras nos espaços planejados.

    Ficha Técnica

  • Artista: Rodrigo Calixto
    Obra: "Tejuelo"
    Ano: 2015
    Dimensões: 28cm x 14cm x 8cm
    Tiragem: 40 unidades cada espécie + 1 P.A

    Materiais

  • Madeira maciça

  • Técnicas

  • Marcenaria tradicional