Rodrigo Calixto

Sem Mais Cortes
Sem Mais Cortes
Sem Mais Cortes
Sem Mais Cortes

Sem Mais Cortes

2015

Muitos historiadores destacam com enorme importância a relação que os homens criaram com as ferramentas ao longo de sua existência. Inclusive, a Pré-história é dividida de acordo com os instrumentos de trabalho utilizados pelos homens em suas respectivas épocas.

Esse enredo classifica de forma dicotômica a relação do antes e do depois que o homem desenvolveu as suas ferramentas, e também a maneira como ele lidava com a natureza. Fica claro que sem dispor de ferramentas, o homem foi um ser que pouco conseguiu manipular a natureza às suas necessidades. A interação mais ativa se inicia quando ele consegue imprimir nela todas as suas vontades e privações: e isto acentuou-se quando dispôs da manufatura de ferramentas que se desenvolveram ao longo da história da humanidade.

O artista apresenta, dentro de um box de acrílico transparente, um serrote enferrujado e quebrado, delicadamente suspenso. Sem função, quase um relicário.

Um serrote quebrado representa um instrumento inútil. Uma ferramenta que já não possui mais função. Porém, no cenário proposto pelo artista, é capaz de evocar e confrontar todas as ações binárias, e muitas vezes contraditórias, do seu encontro com o homem.

Coloca em perspectiva o esgotamento ao qual foi submetido e ao qual serviu. Quebrado, rompido, cria uma trégua do movimento perpétuo de serrar, de cortar, de modificar e extrair. Deixa de ser o elemento que transformou, para se tornar o objeto dessas memórias. Consolida uma nova trégua e um novo formato de relação do objeto com o homem e vice e versa. 

 

    Ficha Técnica

  • Autor: Rodrigo Calixto
    Obra: "Sem Mais Cortes"
    Ano: 2015
    Dimensões: 77cm x 31cm x 7,5cm
    Tiragem: 06 unidades + 1 P.A

    Materiais

  • Serrote e acrílico

  • Técnicas

  • Oxidação natural